quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

O Primeiro Coral de Natal - C. H. Spurgeon


(The First Christmas Carol)
 


Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens”. (Lucas 2:14)

É SUPERTICIOSO adorar anjos; mas é correto amá-los. Embora isto possa ser um grande pecado e um ato de contravenção contra a Soberana Corte do Céu, pagar a menor adoração ao mais poderoso anjo, todavia pode ser mau e inadequado, se nós não dermos aos santos anjos um lugar em nossos corações. De fato, aquele que contempla o caráter dos anjos, e percebe seus vários atos de simpatia para com os homens, e bondade para com eles, não pode resistir o impulso de sua natureza – o impulso de amor para com eles. O único incidente na história angelical, sobre o qual nosso texto se refere, é suficiente para unir nossos corações a eles para sempre. Quão libertos de inveja os anjos são ! Cristo não veio do céu para salvar seus companheiros quando eles caíram. Quando Satanás, o mais poderoso anjo, arrastou com ele uma terça parte das estrelas do céu, Cristo não Se inclinou do Seu trono para morrer por eles; mas deixou-os para serem reservados na escuridão e em prisões eternas até o último grande dia. Contudo, os anjos não invejaram os homens. Embora eles lembrassem que Ele não tomou os anjos, todavia não murmuraram quando Ele tomou a descendência de Abraão; e embora o bendito Mestre nunca tenha condescendido para tomar a forma dos anjos, eles não pensaram nisso impedindo-os de expressar sua alegria quando encontraram-Lo vestido no corpo de um infante. Quão livres, também, eles foram do orgulho ! Eles não se envergonharam de vir e contar as boas novas aos humildes pastores. Creio que eles tinham tanto prazer em emanar suas melodias aquela noite diante dos pastores, que estavam vigiando seus rebanhos, como ele teriam se tivessem sido ordenados pelo seu Mestre para cantar seu hino nos átrios de César. Meros homens – homens possessos de orgulho, pensam ser uma coisa fina pregar diante de reis e príncipes; e pensam ser uma grande complacência de vez em quando ter que ministrar à humilde multidão. Não são assim os anjos. Eles esticaram suas desejosas asas, e com satisfação moveram-se de seus brilhantes assentos acima, para contar aos pastores no campo à noite, a maravilhosa história de um Deus Encarnado. E notem quão bem eles contaram a história, e certamente vocês irão amá-los ! Não com uma língua gaguejante, que conta um conto no qual ela não tem interesse; nem mesmo com o dissimulado interesse de um homem que move as paixões dos outros, quando ele mesmo não sente nenhuma emoção; mas com alegria e satisfação, como somente os anjos podem saber. Ele cantaram a história, porque eles não poderiam esperar para contar em uma pesada prosa. Eles cantaram: “Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens”. Creio que eles cantaram isso com alegria em seus olhos; com seus corações queimando com amor, e com os peitos cheios de alegria como se as boas novas para o homem tivessem sido boas novas para eles mesmos. E, verdadeiramente, eram boas novas para eles, porque o coração de simpatia faz das boas novas aos outros, boas novas para eles mesmos. Vocês não amam os anjos ? Vocês não se curvam diante deles, e aí vocês estão certos; mas vocês não os amam ? Fazer isto não faz uma parte de sua antecipação do céu, visto que no céu vocês habitarão com os santos anjos, bem com os espíritos dos justos aperfeiçoados ? Oh, quão doce pensar que aqueles santos e amáveis seres são nossos guardiões toda hora ! Eles observam com vigilância assídua sobre nós, tanto na ardente maré do meio-dia, como na escuridão da noite. Eles nos guardam em todos nossos caminhos; eles nos sustentam nas suas mãos, para que não tropecemos com nossos pés em pedras. Eles incessantemente ministram em favor daqueles que sãos os herdeiros da salvação; tanto de dia como de noite eles são nossos vigias e guardiões, porque vocês sabem que “o anjo do SENHOR acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra”.
Deixemos de lado, tendo justamente pensado sobre os anjos por um momento, para pensar mais sobre esta canção, do que sobre os anjos em si mesmos. A canção deles foi curta, porém, como Kitto de forma excelente observa, ela foi “digna de anjos, expressando a maior e mais benditas verdades, em tão poucas palavras, que elas tornaram-se uma aguda apreensão, quase opressiva pela abundante plenitude de seu significado.” “Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens.” Iremos, esperando sermos assistidos pelo Espírito Santo, olhar para estas palavras dos anjos em quatro partes. Sugerirei alguns pensamentos instrutivos levantados sobre estas palavras; então alguns pensamentos emocionais; então um poucos pensamentos proféticos; e depois, um ou dois pensamentos preceptivos.

. Primeiro então, nas palavras de nosso texto. Há muitos PENSAMENTOS INSTRUTIVOS .
Os anjos cantaram algo que os homens puderam entender – algo que os homens deviam entender – algo que faria os homens muito melhores se eles o entendessem. Os anjos estavam cantando sobre Jesus que nasceu em uma manjedoura. Nós devemos olhar sobre esta canção como sendo construída sobre este fundamento. Ele cantaram sobre Cristo, e a salvação que Ele trouxe para este mundo para desenvolver. E o que eles disseram desta salvação foi isto: eles disseram, primeiro, que isto deu glória a Deus; segundo, que isto deu paz aos homens; e, terceiro, que isto foi uma prova da boa vontade de Deus para com a raça humana.
1. Primeiro, eles disseram que esta salvação deu glória a Deus. Eles estiveram presentes em augustas ocasiões, e tinham tomado parte em muitos solenes coros em louvor a seu Criador Todo-Poderoso. Eles estavam presentes na criação: “Quando as estrelas da alva juntas alegremente cantavam, e todos os filhos de Deus jubilavam” (Jó 38:7).
Eles viram formar-se a multidão de planetas na palma da mão de Jeová, e serem por Sua eternas mãos lançados na infinitude do espaço. Haviam entoado solenes melodias sobre numerosos mundos criados pelo Todo-Poderoso. Haviam cantado, não duvidamos, com freqüência: “Louvor, e glória, e sabedoria, e ação de graças, e honra, e poder, e força ao nosso Deus, para todo o sempre.” (Apocalipse 7:12) Não duvido, também, que seu canto foi acumulando força durante o transcurso das eras. Como quando foram primeiramente criados, sua primeira respiração foi um canto, assim quando eles viram Deus criar novos mundos, então sua canção recebeu outra nota; se foram elevando em escada da adoração. Porém, esta vez, ao ver Deus descer de Seu trono, e tornar-se um bebê, repousando no seio de uma mulher, elevaram ainda mais a nota; e chegando ao extremo limite da música angelical, entoaram as notas mais sublimes da escala divina das adorações e cantaram: “Glória a Deus nas alturas”, porque sentiram que à maior altura não se pode chegar, nem ainda a própria bondade divina. Assim, o tributo de sua adoração mais sublime se rendeu ao ato mais sublime da divindade.
Se é verdade que existe diferentes categorias de anjos, elevando-se por grau sua magnificência e dignidade – se o apóstolo nos ensina que há “anjos, tronos, dominações, principados e potestades”, entre este habitantes benditos do mundo superior e invisível, posso supor que quando a notícia primeiro se comunicou aos anjos nos confins do mundo celestial, quando miravam desde o céu e viram ao menino recém-nascido, eles enviaram as novas de volta ao lugar onde se originou o milagre, cantando:
“Anjos, seres celestes do reino de glória,
Para terra, velozes, desçam voando,
Vós, que cantais a história da criação,
Agora proclamar o nascimento do Messias;
Vinde e adoremos,
Adoremos Cristo, o recém-nascido Rei.” 
E conforme a mensagem corria de categoria a categoria, até os anjos da presença, aqueles quatro querubins que perpetuamente servem ao redor do trono de Deus – aquelas rodas com olhos - colheram a melodia e resumindo o canto de todos os graus inferiores, sobrepujaram o divino pináculo de harmonia com seu próprio e solene canto de adoração, ao que prorrompeu todo o exército: “Adorai, céu dos céus: Glória a Deus nas alturas.” Ah ! Não há mortal capaz de imaginar a magnificência daquele canto. Então, notem que, embora os anjos cantassem antes e quando o mundo se formou, seus aleluias foram mais cheios, mais potentes, mais magníficos, se não mais cordiais, quando eles viram Jesus Cristo nascido da virgem Maria, para ser o Redentor do homem: “Glória a Deus nas alturas.”
Qual é a lição instrutiva para ser aprendida desta primeira sílaba do cântico dos anjos ? Naturalmente esta: que a salvação é a maior glória de Deus. Ele é glorificado por cada gota de orvalho que brilha ao primeiro raio de sol. Ele é magnificado em cada flor que floresce no bosque, ainda que viva oculta e ostente suas cores fora da vista humana, e desperdice sua doçura no ar da floresta. Deus é glorificado em cada pássaro que gorjea no ramo; em cada cordeirinho que salta no prado. Não Lhe louva os peixes do mar, desde o minúsculo peixinho até o enorme Leviatã ? Não bendiz e louva Seu nome todas as criaturas que nadam sobre as águas ? Não Lhe exaltam todas as coisas criadas ? Há algo debaixo do céu, exceto o homem, que não glorifique a Deus ? Não Lhe exaltam as estrelas ao escrever com letras de ouro Seu nome sobre o azul-celeste do céu ? Não Lhe adoram os relâmpagos quando refletem seu esplendor em setas de luz, penetrando a escuridão da meia-noite ? Não Lhe exaltam os trovões quando estrondam como tambores à marcha do Deus dos exércitos ? Não lhe exaltam todas as coisas, desde as mais pequenas até as mais grandes ? Canta, canta, oh universo, até tu esgotar a ti mesmo; porém jamais tu poderá oferecer um canto tão doce como o canto da Encarnação ! Ainda que toda a criação seja como um órgão majestoso de louvor, não poderá expressar jamais o conteúdo do cântico dourado – Encarnação ! Há mais nela do que na encarnação, mais melodia em Jesus na manjedoura, do que nos mundos sobre mundos girando sua grandeza ao redor do trono do Altíssimo.
Pare Cristão, e considere isto por um minuto. Veja de que forma cada atributo é aqui magnificado. Olhe ! que sabedoria aqui. Deus tornou-se homem para que Deus possa ser justo, e justificar do ímpio. Olhe! que poder, porque onde há poder tão grande como quando se oculta o poder ? Olhe! Que poder, que a Divindade se despojou de Si mesma e tornou-se homem. Contemplai vós, que fidelidade ! Quantas promessas se cumprem neste dia ? Quantas solenes obrigações são nesta hora perdoadas ? Conte-me um atributo de Deus que não seja manifesto em Jesus; e sua ignorância será a razão porque você não tem visto assim. O todo de Deus é glorificado em Cristo; e embora alguma parte do nome de Deus esteja escrita no universo, é aqui que ele é melhor lido – nAquele que foi o Filho do Homem, e todavia, o Filho de Deus.
Mas, deixe-me dizer uma palavra aqui antes de afastar-me deste ponto. Devemos aprender disto que, se a salvação glorifica a Deus, O glorifica no mais alto grau, e faz que as criaturas superiores O louvem, esta única reflexão deve ser adicionada – então, aquela doutrina, que glorifica o homem na salvação não pode ser o evangelho. Porque salvação glorifica a Deus. Os anjos não eram Arminianos, eles cantaram: “Glória a Deus nas alturas.” Eles crêem não na doutrina que tira a coroa de Cristo, e a coloca nas cabeças de mortais. Eles crêem não em um sistema de fé que faz a salvação depender da criatura, e, que realmente dá à criatura o louvor, porque o que é menor do que para um homem salvar a si mesmo, se a inteira dependência da salvação descansa sobre seu próprio livre-arbítrio ? Não, meus irmãos; pode haver alguns pregadores, que se deleitam em pregar a doutrina que magnifica o homem; mas em seu evangelho os anjos não têm deleite. As únicas boas novas que fizeram os anjos cantar, são aquelas que colocam Deus no princípio, Deus no fim, Deus no meio, e Deus sem fim, na salvação de Suas criaturas, e coloca a coroa intera e exclusivamente sobre a cabeça dAquele que salva sem um ajudante.
“Glória a Deus nas alturas”, é o cântico dos anjos.


2. Quando eles cantaram isto, cantaram o que nunca haviam cantado antes. “Glória a Deus nas alturas” era um velho, velho cântico; eles haviam cantado isso desde antes da fundação do mundo. Porém, agora, cantavam como se este fosse um novo cântico diante do trono de Deus: porque eles acrescentaram esta estrofe: “Paz na terra” . Eles não cantaram isto no jardim. Havia paz lá, porém esta parecia uma coisa natural, e escassamente digna de cântico. Havia mais do que paz ali; porque havia glória a Deus ali. Porém, agora, o homem caiu, e desde o dia quando o querubim com a espada flamejante expulsou o homem dali, não havia tido nenhum paz na terra, salvo no peito de alguns crentes, que tinham obtido paz da viva fonte desta encarnação de Cristo. As guerras tem se levantado desde os confins do mundo; homens têm assassinado um ao outro, aos montes. Tem havido guerras dentro como bem guerras fora. A consciência tem lutado com o homem; Satanás tem atormentado o homem com pensamentos de pecado. Não tinha havido paz na terra desde a queda de Adão. Porém, agora, quando o recém-nascido Rei fez sua aparição, a faixa com a qual ele foi enrolado era a bandeira branca da paz. A manjedoura foi o lugar onde o tratado foi assinado, segundo o qual a guerra cessaria entre a consciência do homem e ele mesmo, entre a consciência do homem e seu Deus. Foi então, naquele dia, que a trombeta soou: “Embainhai a espada, oh homem, embainhai a espada, oh consciência, porque Deus esta agora em paz com o homem, e o homem em paz com Deus.”
Não sentis, meus irmãos, que o evangelho de Deus é paz para o homem ? Onde se pode achar paz, senão na mensagem de Jesus ? Vá legalista, trabalhe por paz com labor e dor, e tu nunca a encontrarás. Vá, tu, que confia na lei: vá tu, ao Sinai; contemple as chamas que Moisés viu, e encolha-se, e trema, e desespere-se; porque a paz não se encontra, senão nEle, de Quem é dito: “E este será a nossa paz”. E que paz é esta, amados ! Paz como um rio, e justiça como as ondas do mar. Esta é a paz de Deus que sobrepuja todo entendimento, que guarda nossos corações e mentes através de Jesus Cristo nosso Senhor. Esta sagrada paz entre a alma perdoada e Deus o perdoador; esta maravilhosa reconciliação entre o pecador e seu juiz, esta é a paz que os anjos cantaram ao dizerem: “paz na terra”.


3. E, então, eles sabiamente terminaram sua canção com a terceira nota. Eles disseram: “boa vontade para com os homens.” Os filósofos têm dito que Deus tem uma boa vontade para com os homens; mas eu nunca soube de qualquer homem que derivou muito conforto de sua afirmação filosófica. Os sábios têm concluído em conseqüência do que temos visto na criação, que Deus deve ter muita boa vontade para com os homens, se não Suas obras nunca teriam sido assim construídas para seu conforto; mas eu nunca ouvi de qualquer homem que pôde se atrever a descansar a paz de sua alma sobre uma esperança tão fraca como esta. Mas eu não tenho somente ouvido de milhares, senão que os conheço, que são completamente certos que Deus tem uma boa vontade para com os homens; e se você perguntar sua razão, eles darão uma completa e perfeita resposta. Eles dizem: Ele tem uma boa vontade para com os homens porque Ele deu Seu Filho. Não se pode dar maior prova da bondade entre o Criador e Suas criaturas do que quando o Criador deu Seu Filho Unigênito e bem amado Filho para morrer.
Embora a primeira nota seja Divina, e a segunda nota seja pacifica, esta terceira nota derrete mais meu coração. Alguns pensam de Deus como se Ele fosse um Ser carrancudo que odeia toda a humanidade. Alguns O representam como se Ele fosse alguma abstrata existência não tomando interesse em nossos assuntos. Escutai todos, Deus tem “boa vontade para com os homens”. Já sabeis o que significa boa vontade. Bem, Praguejador, você tem amaldiçoado Deus; Ele não tem executado Sua maldição sobre ti; Ele tem boa vontade para com você, apesar que você não tenha boa vontade para com Ele. Infiel, você tem pecado alto e gravemente contra o Altíssimo.; Ele não tem dito coisas duras contra você, porque Ele tem boa vontade para com os homens. Pobre pecador, tu tens quebrados Suas leis; tu tens quase medo de vir ao trono de Sua misericórdia para que Ele não te rejeite; escuta isto tu, e seja confortado – Deu tem boa vontade para com os homens, tão boa vontade que Ele tem dito, e diz isto com juramento também: “Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva”; tão boa vontade além disso que Ele tem até condescendido para dizer: “Vinde então, e argüi-me, diz o SENHOR: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã.” E se você disser: “Senhor, como saberei que Tu tem boa vontade para comigo?”, Ele apontará para aquela manjedoura, e dirá: “Pecador, se Eu não tivesse boa vontade para contigo, haveria Me separado de Meu Filho ? Se Eu não tivesse boa vontade para com a raça humana, poderia ter dado Meu Filho para tornar-Se um daquela raça para que Ele pudesse redimi-los da morte ?” Vós, que duvidais do amor do Mestre, contemplai este círculo de anjos; vejam seu brilho de glória; ouçam seu canto, e deixem que suas dúvidas desapareçam naquela doce música e seja enterrada em uma mortalha de harmonia. Ele tem boa vontade para com os homens; Ele está disposto a perdoar; Ele afasta as iniqüidades, transgressões, e pecados. E marquem isto, se Satanás depois adicionar: “Mas embora Deus tenha boa vontade, todavia Ele não pode violar Sua justiça, portanto Sua misericórdia pode ser ineficaz, e você pode morrer”; então escutem a primeira nota da canção: “Glória a Deus nas alturas”, e repliquem a Satanás e a todas suas tentações, que quando Deus mostra boa vontade para com o arrependido pecador, não há somente paz no coração do pecador, senão que isto traz glória a cada atributo de Deus, e assim Ele pode ser justo, e todavia justificar o pecador, e glorificar a Si mesmo.
Eu não pretendo dizer que apresentei todas as instruções contidas nestas três sentenças, mas posso talvez ter dirigido vocês ao fio de pensamento que poderá servir para vocês durante a semana. Espero que todos durante a semana tenha um verdadeiramente feliz Natal por sentir o poder daquelas palavras, e conhecendo a unção delas: “Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens.”

II . Em seguida, vos apresentarei alguns PENSAMENTOS EMOCIONAIS. Amigos, não enche este verso, este cântico dos anjos, vosso coração com felicidade? Quando o leio, e encontro os anjos o cantando, penso comigo mesmo: “Então, se os anjos introduziram solenemente o grande assunto do evangelho com cântico, não deveria eu pregar com cântico? E não deveria meus ouvintes viver com cânticos? Não deveriam seus corações serem alegres e seus espíritos se regozijarem?” Bem, penso, há alguns religiosos melancólicos que nasceram numa noite escura de Dezembro, que pensam que um sorriso sobre a face é ímpio, e crêem que um Cristão ser alegre e se regozijar é ser inconsistente. Ah! Eu queria que estes cavalheiros tivessem visto os anjos quando eles cantavam sobre Cristo; porque os anjos cantaram sobre o seu nascimento, embora este não fosse relacionado com eles; certamente os homens devem cantar sobre ele enquanto viverem, cantar sobre ele quando morrerem, e cantar sobre ele quando viverem no céu para sempre. Eu desejo ver no meio da igreja mais e mais um Cristianismo que canta. Os últimos anos têm gerado em nosso meio um Cristianismo grunhido e incrédulo. Agora, não duvido de sua sinceridade, mas duvido de seu caráter saudável. Digo que ele pode ser verdade e real o suficiente; Deus não permita que eu diga uma palavra contra a sinceridade daqueles que o praticam; mas é uma religião doentia. Watts acertou o ponto quando disse,
"A religião nunca foi designada
Para fazer nosso prazeres menores”. 

Ela foi designada para abolir alguns de nossos prazeres, mas ela nos dá muito mais, para compensar o que ela tirou; assim, não os faz menores. Oh vós que vedes em Cristo nada senão um assunto para estimular vossas dúvidas e fazer com que as lágrimas desçam vossas faces; Oh vós que sempre dizeis,
“Senhor, que terra miserável é esta,
Que não nos produz suprimento,” 
Venham vós até aqui e vede os anjos. Eles contam a sua história com gemidos, choros e suspiros? Ah não; eles clamam em alta voz: “Glória a Deus nas alturas”. Agora, imitai-os, meus queridos irmãos. Se sois professos da religião, tentai sempre ter uma apresentação alegre. Que outros fiquem de luto; mas
“Por que deveriam os filhos de um rei
Ficarem de luto todos os seus dias?”

Unge sua cabeça e lave o seu rosto; não aparente aos homens jejuar. Regozijai no Senhor sempre, e outra vez vos digo: regozijai. Especialmente esta semana não se envergonhem de estarem alegres. Não precisa pensar que é uma coisa ímpia ser feliz. Penitência, flagelação e miséria não são coisas muito virtuosas, apesar de tudo. Os condenados são miseráveis; que os salvos sejam felizes. Porque você deveria sustentar uma comunhão com os perdidos, pelos sentimentos de perpétuo luto? Porque não antecipar antes as alegrias do céu, e começar a cantar na terra aquele cântico que você nunca precisará terminar? A primeira emoção, então, que devemos cultivar em nossos corações é a emoção de alegria e satisfação. Bem, e qual a próxima? Outra emoção é aquela de confidência. Não estou seguro de que esteja certo em chamar isto de emoção, mas em mim ela está tão relacionada com a emoção, que me aventurarei a estar errado se estiver. Agora, se quando Cristo veio para este terra Deus tivesse enviado algumas criaturas pretas do céu, (se houvesse tais criaturas ali) para nos dizer: “ Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens ”, e se com um olhar carrancudo e uma língua gaguejante eles entregassem sua mensagem, se eu estivesse lá e ouvisse, recearia em crer neles, porque certamente deveria dizer: “Vocês não se parecem com os mensageiros que Deus enviaria – indivíduos gaguejantes como vocês – com tais boas novas como esta”. Mas quando os anjos vieram não houve dúvida da verdade que eles disseram, porque era absolutamente certo que os anjos criam nela; eles a contaram como deveriam ter contado, porque a contaram com cântico, com alegria e satisfação. Se algum amigo, tendo ouvido que um legado te foi deixado, viesse a você com um semblante solene e uma língua como um sino de funeral, dizendo, “Você sabe que alguém te deixou £ 10.000?”, certamente você diria, “Ah! Eu cuido que sim”, e riria em sua face. Mas se tu irmão repentinamente invadisse o seu quarto, e exclamasse, “O que você acha? Você é um homem rico; Alguém te deixou £ 10.000!”, certamente você diria, “Penso que isto provavelmente é verdade, porque ele parece muito feliz”. Bem, quando os anjos vieram do céu, eles contaram as boas novas da mesma forma como eles criam nelas; e embora eu tenha freqüentemente duvidado da boa vontade do meu Senhor, penso que nunca poderia duvidar disso enquanto ouvir aqueles anjos cantando. Não, devo dizer: “Os próprios mensageiros são provas da verdade, porque parece que eles a ouviram dos lábios de Deus; eles não duvidam dela; porque vejo quão alegremente eles contam as novas”. Agora, pobre alma, tu que és receosa de que Deus te destrua, e tu que pensas que Deus nunca terá misericórdia de ti, olhai para os anjos cantando e duvide se tiver coragem. Não vá à sinagoga de tristes hipócritas para ouvir o ministro que pregar com um som nasal fanhoso, como miséria em sua face, enquanto te diz que Deus tem boa vontade para com os homens; eu sei que não desejar crer no que ele diz, porque não prega com alegria em seu semblante; ele está te contando boas novas com um rosnar, e você não está disposto a recebê-la. Mas vá imediatamente à campina onde os pastores de Belém estavam sentados de noite, e quando ouvir os anjos cantando o evangelho, pela graça de Deus sobre você, poderás ver que eles manifestadamente sentem a preciosidade do conto. Bendito Natal, que traz tais criaturas como os anjos para confirmar nossa fé na boa vontade de Deus para com os homens.
III. Eu devo trazer agora diante de vocês, o terceiro ponto. Há algumas EXPRESSÕES PROFÉTICAS contidas nestas palavras. Os anjos cantaram “Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens”. Porém, olho ao redor, e o que vejo no mundo inteiro? Não vejo a Deus honrado. Vejo os pagãos ajoelhando-se diante de seus ídolos; noto os Romanistas se lançando diante dos trapos pobres de suas relíquias, e das horríveis figuras de suas imagens. Olho ao redor de mim, e vejo a tirania se assenhorear dos corpos e almas dos homens; vejo a Deus esquecido; vejo uma raça mundana em busca de Mamom; vejo uma raça sangrenta em busca de Moloque; vejo a ambição cavalgando como Ninrode sobre a terra, Deus esquecido, Seu nome desonrado.
Foi sobre isto tudo que os anjos cantaram? Foi tudo isto que os fez cantar “Glória a Deus nas alturas?” Ah! Não. Há dias brilhantes se aproximando. Eles cantaram: “Paz na terra”. Mas ainda ouço o clarim de guerra; e o horrendo estampido do canhão: ainda não trocaram a espada por rédeas de arado e as lanças por podadeiras! As guerras ainda reinam. Foi sobre isto tudo que os anjos cantaram? E enquanto vejo guerras até o fim a terra, creio que isto foi tudo o que os anjos esperavam? Ah! Não, irmãos; o cântico dos anjos está cheio de profecia; o dia determinado nascerá com glórias. Uns poucos anos mais, e quem os viver, verá o porque os anjos cantaram; uns poucos anos mais, e o que há de vir virá, e não tardará. Cristo o Senhor virá novamente, e quando vier derrubará os ídolos de seus tronos; aniquilará toda forma de heresia e todo vestígio de idolatria; reinará de pólo a pólo com ilimitável governo; reinará quando, como um pergaminho, aqueles céus azul tiverem passado. Nenhuma discórdia afetará o reino do Messias, nenhum sangue será então derramado; eles lançarão fora os imprestáveis capacetes, e não mais estudarão para a guerra. A hora está se aproximando de quando o templo de Janus [1] será fechado para sempre, e quando o cruel Marte será vaiado da terra. O dia está chegando quando o leão comerá palha com o boi, quando o leopardo deitará com a criança; quando a criança desmamada colocará sua mão na cova do basilisco e brincará com a áspide. A hora se aproxima; os primeiros raios de luz fazem feliz a era na qual vivemos. Olhai, Ele vem, com trombetas e com nuvens de glória; virá quem aguardamos com jubilosa esperança, cuja vinda será glória para os Seus redimidos, e confusão para os Seus inimigos. Ah!, irmãos, quando os anjos cantaram esta canção, ressoou um eco através dos corredores de um glorioso porvir. Este eco foi
"Aleluia! Cristo o Senhor
Deus Onipotente reinará”.

Ah, e sem dúvida os anjos ouviram pela fé a complementação da canção,
"Ouvi! o som de júbilo
Ruidosos como poderosos rugidos de trovão,
Ou como o enchimento do mar,
Quando quebra sobre a costa da praia”.

"Cristo o Senhor Deus Onipotente reinará”.

IV. Agora, tenho apenas mais uma lição para vocês, e terminarei. Esta lição é PRECEPTIVA . Desejo que todos que guardam o Natal este ano, o guardem como os anjos o guardaram. Há muitas pessoas que, quando falam sobre guardar o Natal, querem dizer a redução das vendas de sua religião por um dia no ano, como se Cristo fosse o Senhor da anarquia, como se o nascimento de Cristo devesse ser celebrado como as orgias de Baco. Há algumas pessoas muito religiosas, que no Natal nunca esquecerão de ir à igreja pela manhã; eles crêem que o Natal seja quase tão santo como o Domingo, porque eles reverenciam as tradições dos antigos. Todavia, o modo como gastam o resto do dia é mui excelente; porque se eles verem a sua cama imediatamente no começo da noite, terá sido por acidente. Eles não consideram que terão guardado o Natal de uma maneira apropriada, se não caírem na glutonaria e na bebedice. Há muitos que pensam que o Natal possivelmente não será guardado, exceto se houver grandes gritos felicidade e alegria na casa, e adicionados aos barulhos do pecado. Agora, meus irmãos, embora sejamos como sucessores dos Puritanos, não guardaremos o dia em qualquer sentido religioso, seja qual for, não adicionando nada mais a ele do que a qualquer outro dia: crendo que todo dia pode ser um Natal porque devemos saber, e desejarmos fazer de cada dia Natal, se pudermos; todavia, devemos tentar ser um exemplo para os outros de como se comportar neste dia; e especialmente visto que os anjos deram glória a Deus: façamos o mesmo. Uma vez mais os anjos disseram: “Paz para os homens”: labutemos se podemos fazer paz no próximo dia de Natal. Agora, cavalheiros idosos, vocês não abandonarão teu filho: ele te ofendeu. Trazei-o ao Natal. “Paz na terra”; vocês sabem: este é o Coral do Natal. Façam as pazes na sua família. Agora, irmãos, façam um voto de que nunca falarão de teu irmão novamente. Vá atrás dele e diga: “Oh, meu querido companheiro, não se ponha o sol deste dia sobre nossa ira”. Traga-o, e dê-lhe sua mão. Agora, Sr. Comerciante, você tem um oponente no comércio, e você tem dito algumas palavras mui duras sobre ele ultimamente. Você não consideraria o assunto hoje, ou amanhã, ou assim que puder, todavia, faça-o neste dia. Este é o modo de se guardar o Natal, paz sobre a terra e glória a Deus. E oh, se tu tens algo sobre tua consciência, qualquer coisa que te impeça de ter paz de mente, guarde teu Natal em teu quarto, orando a Deus para te dar paz; porque é paz sobre a terra, mente, paz em ti mesmo, paz contigo mesmo, paz com teu companheiro, paz com teu Deus. E não penseis que tens celebrado bem este dia até que possas cantar, “Oh Deus,
'”Com o mundo, comigo, e contigo
Eu agora durmo em paz, e assim para sempre será”.
E quando o Senhor Jesus se tornar tua paz, lembre-se, há outra coisa, boa vontade para com os homens. Não tente guardar o Natal sem ter uma boa vontade para com os homens. Você é um cavalheiro, e tem serventes. Bem, tente e coloque fogo em suas lareiras com uma larga pedaço de uma boa e sólida carne bovina para eles. Se você é um homem de riquezas, você tem pobres em sua vizinhança. Encontre algo com que vestir o nu, e alimentai o faminto, e alegrai o enlutado. Lembre-se, isto é boa vontade para com os homens. Teste, se puder, mostrar-lhes boa vontade nesta época especial; e se assim fizer, o pobre dirá comigo, que deveras eles desejariam que houvesse seis Natais no ano.
Que cada um de nós saia deste lugar determinados, que se estivemos irados durante todo o ano que se passou, que esta próxima semana seja uma exceção; que se temos resmungado de todo mundo no ano passado, que neste Natal aspiremos ser gentilmente amorosos para com os outros; e se vocês viveram todo este ano em inimizade contra Deus, oro para que pelo Seu Espírito Ele possa esta semana lhes dar paz com Ele; e então, deveras, meu irmão, este será o Natal mais agradável que já tivemos em nossas vidas. Vocês estão indo para a casa de seus pais, jovens; muitos de vocês estão indo fazer compras para suas casas. Lembrem-se do que preguei no último Natal. Vão para casa, para os teus amigos, e lhes o que o Senhor tem feito por vossas almas, e isto fará uma bendita roda de histórias ao redor do fogo do Natal. Se cada de um vós disser aos vossos pais como o Senhor se encontrou com vocês na casa de oração; como, quando você saiu de casa, estava alegre, corajoso, mas tem agora voltamos para o Deus de sua mãe, e lido a Bíblia de seu pai. Oh, que Natal feliz será este! O que mais direi? Possa Deus vos dar paz contigo mesmos; possa Ele vos dar boa vontade para com todos os vossos amigos, vossos inimigos, e vossos vizinhos; e possa Ele vos dar graça para dar glória a Deus nas alturas. Não direi nada mais, exceto ao final deste sermão desejar que cada um de vós, quando o dia chegar, tenham o Natal mais feliz em vossas vidas.
"Agora, com os anjos ao redor do trono,
Querubim e Serafim,
E com a igreja, que ainda é uma,
Cantemos o solene hino;
Glória ao grande EU SOU!
Glória ao Cordeiro Vitimado.
Bendição, honra, glória, poder,
E domínio infinito, ao Pai de nosso Senhor,
Ao Espírito e à Palavra;
Como era antes de todos os mundos existirem,
É, e será para sempre eternamente”.

Nota do tradutor: deus romano de duas faces identificado com portas e começos.

                                                 ---------------------------------------------
                                                           Um Sermão (Nº 168)
Pregado na Manhã de Domingo, 20 de Dezembro de 1857 por C. H. Spurgeon
No Music Hall, Royal Surrey Gardens – Inglaterra


Traduzido por: Felipe Sabino de Araújo Neto
Cuiabá-MT, 25 de Março de 2004 (monergismo)
___________________________________________

LEIA OUTROS ARTIGOS RELACIONADOS ATRAVÉS DOS BLOGS ABAIXO:





.

Nenhum comentário:

Postar um comentário